Unidade promove encontro de especialistas já formados e em formação na unidade para atualização de conteúdos e debate sobre atuação no mercado de trabalho

O Hospital de Urgências de Goiânia (HUGO) realizou o III Encontro de Residentes e Ex-residentes de Ortopedia da unidade de saúde, nesta sexta-feira (1), no auditório da instituição. Mais que rever amigos e apreciar agradáveis encontros, o momento foi oportuno para atualização e capacitação de assuntos da área ortopédica. O evento foi idealizado pelo preceptor fundador da Residência Médica de Ortopedia e Traumatologia do HUGO, Jefferson Soares Martins, com o objetivo de estimular o desenvolvimento profissional e aprimorar a assistência entregue ao paciente que necessita dos cuidados do hospital referência em traumas do Centro-Norte brasileiro.

Criada em 2004, a residência do HUGO já formou 42 ortopedistas que atuam no mercado goiano e também em outros estados da federação. O programa é dividido em aulas teóricas, atividades ambulatoriais e centro cirúrgico, além de pronto-socorro e plantões. “Temos uma grade curricular completa que abrange conteúdo teórico e muita prática, o que colabora para o sucesso dos nossos médicos em congressos, na prova da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia e, consequentemente, no mercado de trabalho”, observa o coordenador do programa, José Moisés Costa.

Atualmente, a especialidade conta com 14 residentes em formação. Diego Wagmacker é um deles e está no último ano de residência. Para ele, a fase mescla sentimentos. “É uma sensação de ansiedade por estar às vésperas de uma prova de títulos, bem como de segurança, por saber e confiar na formação que tivemos, a qual nos deixou completamente aptos para o mercado de trabalho” revela. Após anos intensos de residência, Wagmacker avalia que “foram muito proveitosos, pois nesse tempo tivemos um salto muito importante em nosso conhecimento científico, técnico e habilidades manuais”.

Formado pela segunda turma de residentes do HUGO, em 2009, Fábio Peres atua hoje na área de cirurgia de coluna, em Cuiabá. “Quando iniciei a residência, era um serviço novo no Estado. Então, antes de me matricular, vim conhecer a unidade e fiquei impressionado. À época, as estatísticas mostravam que o hospital realizava 16 cirurgias ortopédicas a cada 12 horas – isso era um volume cirúrgico maior que qualquer outro hospital que existia na capital, já com programas conceituados. Além disso, o propósito das aulas teóricas me chamou muito a atenção, pois não é em todo lugar que encontramos isso. Me matriculei e foi uma escolha muito assertiva na minha vida!”.

Além da área técnica, a questão afetiva também marcou o período de residência de Peres. “Fiz muitos amigos durante os anos que passei aqui e, apesar de estar há quase uma década sem voltar ao HUGO, o sentimento de pertencimento não mudou; quando pisei aqui novamente, me senti em casa, pois vivi a instituição por três anos da minha vida de forma bem intensa”, relembra de forma saudosa.

Em lado oposto nessa situação, Renan Arcanjo iniciou a residência em 2019. “A fama da residência do HUGO no mercado já é consolidada. Temos aula, cirurgia, ambulatório, é um programa muito completo! Assim, considerei, inclusive, a quantidade de pacientes do HUGO, pois aqui já temos contato com casos muito complexos e, ainda ao longo da residência, podemos nos capacitar quanto a técnicas cirúrgicas e saímos com um conhecimento bom para trabalhar em praticamente todos os serviços de Ortopedia do País, sem medo de encarar o mercado”, observa o residente.

É muito gratificante ver esse auditório lotado de colegas, profissionais formados e capacitados aqui no HUGO para atuarem neste ramo da Medicina. Mais que estimular a pesquisa, a assistência e o desenvolvimento profissional, o Programa de Residência Médica em Ortopedia e Traumatologia deste hospital tem o objetivo de honrar a tradição da ortopedia goiana”, relata Jefferson Soares, primeiro coordenador e atual preceptor da residência.